“Algumas lições que o vulcão islandês ensinou sobre o tempo”

20abr10

Leiam o belíssimo texto de Eric Fottorino, para o Le Monde, sobre coisas que deveríamos aprender com o vulcão islandês.  A tradução é da Lana Lim, para o UOL.  O original está aqui.

***

Algumas lições que o vulcão islandês ensinou sobre o tempo

Não se poderia afirmar a sério que uma nuvem de repente permite que se veja claramente. A erupção de um vulcão islandês e o caos aéreo que se seguiu nos convidam, entretanto, a rever nossas ideias sobre o tempo. O tempo que faz e o tempo que é preciso fazer. Para viver, para agir, para pensar. Não são somente os aviões que estão presos no solo pelo mundo inteiro. É na verdade o tempo que, ao suspender seu voo, nos força a refletir.

A primeira lição é a humildade. Eis que estamos de volta a nosso lugar. Nós somos o que somos. Passageiros em uma Terra que só faz o que bem entende, e à sua maneira nos priva de nossos sonhos de altitude. O acontecimento tem tudo para inspirar filósofos e poetas. O planeta acaba de nos oferecer um grande freio saído das entranhas da Terra e propagado até a estratosfera. Há cinco dias a humanidade dança sobre um vulcão, dança em câmera lenta. Parte da humanidade, somente: há milhões de pessoas para quem as férias, e sobretudo as viagens de avião, continuam sendo tão improváveis quanto o despertar do Eyjafjöll sob a geleira Eyjafjallajökull, na Islândia, país pouco conhecido.

Passada a surpresa – o que faz um vulcão sob uma geleira? O que faz o calor sob a proteção do frio? A natureza tem ideias esquisitas de coabitação – , medimos quem é o mais forte. Não do modo trágico dos tsunamis da Ásia ou dos terremotos do Haiti, que matam dezenas de milhares e devastam paisagens. Nem do modo cômico, pois sabemos que viajantes e empresas não veem graça nenhuma nesse contratempo custoso e infeliz.

Mas, como observou no domingo Alain Finkielkraut no “Journal du Dimanche”, “o homem não está condenado a encontrar somente a si próprio: não é necessariamente uma má notícia”. Agora teremos em nós um pouco da Islândia, e cada um de nós se sentirá atingido pelo famoso “efeito borboleta” descrito nos tratados de globalização.

Uma outra lição tem a ver com o uso do tempo. Lentidão ou rapidez? É a vez da segunda. Tudo anda mais rápido, a informação, a vida profissional, o lazer, a leitura. Ninguém mais pensa em tirar um tempo, tirar seu tempo, despertar sua “tartaruga interna”.

Qualquer ação moderna parece desprovida de tempo. Como explica o sociólogo e filósofo alemão Hartmut Rosa, em seu ensaio que está sendo publicado na França sobre a sociedade da aceleração, as esferas política, econômica e até pessoal são dominadas por essa ditadura da urgência, que nos faz reagir e não agir, nos agitar quando seria preciso pousar, se não repousar.

É um ensinamento para aqueles que nos governam: o que se faz contra o tempo, o tempo esquecerá. Mil precipitações jamais fazem uma lentidão.

Anúncios


No Responses Yet to ““Algumas lições que o vulcão islandês ensinou sobre o tempo””

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: